Natal (RN)

Natal, que tem o nome porque nasceu em 25 de dezembro, é conhecida como “Noiva do Sol” porque, dizem, lá faz sol o ano inteiro. Qual não foi a minha surpresa, então, de pegar chuva TODOS OS DIAS enquanto estive lá? Ou seja: por favor, evite visitar em abril, como eu fiz. Mas, mesmo assim, Natal é uma puta cidade turística, com atrações suficientes para te manter entretido por uma semana inteira. Não à toa, é um dos principais destinos do nordeste.

Você provavelmente ficará perto da Praia de Ponta Negra, a mais famosa e movimentada, com os melhores restaurantes e movimento de dia e de noite. A foto no Morro do Careca é um clássico local (pena que a subida no morro está proibida).

Praia de Ponta Negra Ponta Negra 1

Aliás, Ponta Negra tem um dos hostels mais legais do Brasil, o Lua Cheia Hostel, que imita um castelo. O bar anexo, o Taverna Pub  garante a interação com a galera que está hospedada (que em hostel normalmente já não é difícil, com balada e álcool somados, então, vixe…).

Hostel Natal Taverna Pub

E, falando em balada, pertinho do hostel fica um dos forrós mais famosos da cidade, garantia de noite animada:  o Rastapé.

rastape Rastapé3

Voltando aos programas turísticos, de alguns clássicos natalenses você não vai poder fugir. O Forte dos Reis Magos é um deles. Foi ali que começou a cidade e abriga o Marco de Touros (abaixo, à esq.), de 1501, que teria sido o primeiro marco de posse da Coroa portuguesa no país. Na visita guiada você conhece diversas histórias e curiosidades dos antigos depósitos, alojamentos e canhões.

Fortaleza_Reis_Magos Fortaleza Reis Magos

marco de touros reis magos 2

Se você fechar passeios com a pousada/hotel, há dois principais: o litoral sul e o litoral norte (você precisa de um dia inteiro para cada um deles).

Para o norte, você passa por Genipabu, um onde você faz passeio cara-de-nordeste. com buggy com emoção, esquibunda e tirolesa com cadeira (chamada de aerobunda). Curiosidade que só tem lá, o passeio pelas dunas na corcova de camelos (que eu não fiz).

Genipabu  Camelo Genipabu

Você ainda vai até as dunas de Pitangui (que viraram um deserto em Marrocos na novela O Clone), com direito a tirar foto com o lagarto/salamandra/camaleão que os locais te jogam na mão, e termina com uma esticada até a lagoa de Jacumã.

Duna Pitangui Lagoa Jacumã

Ainda no norte, mas bem mais para cima, onde o passeio básico de buggy não chega, fica Maracajaú, com suas piscinas naturais fantásticas. Esse passeio, sozinho, dura o dia, mas vale muito à pena.

maracajau1 maracajau2

Para o litoral sul, a primeira parada é a Barreira do Inferno, o primeiro centro de lançamento de foguetes espaciais da América do Sul. O nome vem do reflexo do sol do entardecer nas falésias, tornando-as vermelhas como fogo. Rola visita guiada, mas precisa ser agendada antes.

Base Barreira do Inferno Falésias Barreira do Inferno

Depois passa por Pirangi do Norte, no famoso Maior Cajueiro do Mundo. Mas o mais legal é pegar o barco e ir mergulhar com snorkel nas piscinas naturais (coisa que com o passeio de buggy você não vai conseguir fazer. Vá por conta própria outro dia).

Maior Cajueiro do Munso Pirangi do Norte

Continuando para o sul, você chega em Pipa. Sim, a famosa e tão falada Praia da Pipa, uma espécie de Canoa Quebrada de Natal, também foi um paraíso hippie.

Pipa 1 Pipa 2

Pipa 3 Pipa 4

Tem uma boa infra e, se você conseguir (de novo os limitantes tempo e dinheiro), durma uma noite por lá. Você aproveita e melhor as praias (na Praia do Amor rola o agito e nas praias do Curral (esq.) e do Madeiro você consegue ver golfinhos. Quem não gosta de golfinhos?) e de quebra tem a chance de pegar um por do sol sensacional no alto do Chapadão (de buggy você volta antes e perde o por do sol).

Praia do Amor Por do Sol Pipa

Como não podia deixar de ser, o grande atrativo da cidade são as praias. Mas tente esquecer delas por um dia, para conhecer o centro histórico. Os principais pontos de interesse estão nos bairros da Cidade Alta e da Ribeira: o Memorial Câmara Cascudo, com objetos, livros e cartas do natalense ilustre e grande estudioso do folclore. Para quem se interessa em conhecer a fundo a cultura dos povos, é interessantíssimo. Ainda tem a Catedral Metropolitana (sempre tem uma Catedral Metropolitana), o Palácio Potengi (um prédio histórico onde funciona a Pinacoteca do estado) e a Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos. Conheça também o Beco da Lama, tradicional reduto boêmio da cidade.

camara_cascudo Catedral Metropolitana

Igreja Rosário Beco da Lama

Para não dizer que nesse dia você não viu praia, dê uma esticada até o Farol da Mãe Luiza. Você sobe 37 metros de altura e tem uma senhora vista, que pega as praias de Genipabu até Ponta Negra.

farol_mae_luiza Vista do Farol

E, para terminar, uma dica gastronômica que você só come em Natal: a Ginga com Tapioca. Na praia da Redinha, próxima ao centro, algumas barracas do Mercado Municipal servem a iguaria, que nada mais é do que peixes miúdos fritos no dendê e espetados em palitos, servidos com tapioca.

Mercado Redinha ginga

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *