Quem Faz

cara de gringo

Com o passar dos anos você aprende que a) tem as coisas que a gente sabe fazer bem e b) tem as coisas que a gente gosta de fazer. E, sorte suprema, algumas pessoas descobrem que existe a letra c: gostam de fazer o que sabem fazer bem.

Eu dei essa sorte ao escrever.  (Tá certo que lendo isso aqui pode não parecer, mas dê um voto de confiança). Daí que acreditando que sabia escrever,  virei redator, roteirista e escritor.

Mais anos se passaram e em algum momento da vida descobri que gostava de viajar (e, a duras penas, eu ainda estou aprendendo a ser turista).

O momento mágico foi quando eu percebi que podia unir as duas coisas (obrigado internerds e blogs!). Desde então, corro atrás de desenvolver, e estabelecer (por “estabelecer” entenda-se trabalhar e ganhar a vida como), o turista-escritor, o cronista-viajante.

Não sei se algum dia conseguirei (sigo rezando a São Ricardo Freire toda noite), mas sei que, no mínimo, me divertirei horrores tentando.

Tem objetivo de vida melhor a ser perseguido?

…………………………….

Captura de Tela 2016-01-12 às 09.43.32

E eis que um dia encontrei minha musa inspiradora, um ser tão fantástico que parecia mesmo mito, tipo sereia.

Para a minha sorte ela era real e, sabe-se lá o motivo – karma, auto-flagelação ou maluquice mesmo – ela aceitou seguir a jornada comigo.

Viajante inverterada, conhece muito mais países do que eu posso sonhar, morou na Austrália, deu aula de inglês no Nepal e fez trabalho voluntário na Guatemala.

Ela é minha companheira de viagens, eventual colaboradora com textos e ideias e fotógrafa oficial.

 

 

2 Comments

  1. A-DO-REI a sua nova versão , Paulo! Tenho certeza que além de se divertir, você vai fazer a diferença. Boa sorte, Boa viagem! Bjão.

  2. Putz Paulê, sem palavras, deixo-as pra vc. Parabens pela realização (mais esta). Estou amando cada post.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *